segunda-feira, 19 de março de 2018

Análise dos efeitos da poluição em lagoas costeiras
Foram 20 locais analisados e 6 espécies zooplanctônicas registradas

O aluno Erick Manzano Macias defendeu hoje, 15 de março, sua tese de mestrado intitulada “A comunidade zooplanctônica em um gradiente de poluição antrópica em um Complexo Estuarino Lagunar”. O trabalho foi realizado por meio do Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal.


A presente dissertação esta composta por três partes. Na primeira parte são apresentadas as fotos dos locais estudados (20) e das espécies zooplanctônicas registradas (seis). A segunda parte apresenta os três objetivos propostos. Finalmente, a terceira parte consta do manuscrito que pretende ser submetido para publicação.

Muitos centros urbanos localizam-se próximos às lagoas costeiras, influenciando estes ambientes através de despejos domésticos e industriais. Estes ecossistemas são de extrema importância para a biodiversidade local, incluindo a comunidade zooplanctônica.

Foram estudados os fatores físico-químicos e as densidades zooplanctônicas em diferentes escalas (comunidade, grupos, espécies e fases de desenvolvimento); foram identificadas as diferenças (através de ANOVA´s) e a relação que existe entre estas variáveis (através de RDA) ao longo de um gradiente de poluição e um gradiente temporal; e foi quantificado se o gradiente de poluição afeta o estado trófico do CELMM (através de um índice de estado trófico).

As coletas foram feitas em quatro áreas em três margens de duas lagoas costeiras e no canal conector do Complexo Estuarino Lagunar Mundaú-Manguaba (CELMM). Em cada área foram distribuídos 5 pontos de coleta, nas estações seca e chuvosa.

As áreas encontram-se num gradiente de degradação ambiental de maior a menor poluição. Em cada ponto foram feitas amostragens do zooplâncton; foi mensurado o pH, a temperatura (TEM), o oxigênio dissolvido (OD), a condutividade (COM) e a profundidade (PROF) nas duas estações; e foi mensurada a salinidade (SAL), o carbono orgânico dissolvido (COD) e a clorofila-a (CLOR-A) na estação chuvosa. Foram identificadas diferenças em todos fatores físicos e químicos, exceto no COD sob o gradiente de poluição antrópica.

Foram encontradas diferenças no pH, temperatura, oxigênio dissolvido e condutividade, sob a escala temporal. Foram identificadas diferenças nas densidades dos estágios Copepodito e Copepoda; e nas seis espécies que compõem a comunidade, sob o gradiente de poluição antrópica. Foram encontradas diferenças nas densidades dos estágios náuplio pequeno, Copepodito e Copepoda; e nos copépodes, cf. Apocyclops e Calanoida sp1; e nos cladóceros, M. minuta e C. cornuta, sob a escala temporal. Foi identificado que o gradiente de poluição antrópica afeta o nível trófico das lagoas que compõem o CELMM, e que a área menos impactada pela eutrofização é a A1 devido a processos hidrodinâmicos do sistema.

Em quanto as relações detectadas, na estação seca houve associação entre: o oxigênio dissolvido e as espécies B. calyciflorus e cf. Apocyclops; a temperatura e M. minuta e C. cornuta; a condutividade e as espécies B. plicatilis e Calanoida sp1. Na estação chuvosa houve associação entre: a condutividade e a salinidade e as espécies B. calyciflorus e cf. Apocyclops; a temperatura e a clorofila-a e as espécies B. plicatilis e Calanoida sp1. Finalmente, sugerimos que as espécies B. plicatilis e B. calyciflorus, servem como bioindicadores da qualidade da água.

Comissão Examinadora:

Prof.(a). Maria Stela Maioli Castilho Noll - Orientadora - Unesp/Sjrp
Prof.(a). Betina Kozlowsky Suzuki - Universidade Federal Do Estado Do Rio De Janeiro (Unirio)
Prof.(a). Maria Isabel De Almeida Rocha - Universidade Federal Do Estado Do Rio De Janeiro (Unirio)

sexta-feira, 16 de março de 2018

Signs of symbolic behavior emerged at the dawn of our species in Africa

More than 320,000 years ago in the Rift Valley of Africa, some early innovators adopted a new technology: They eschewed the clunky, palm-size stone hand axes that their ancestors had used for more than a million years in favor of a sleek new toolkit. Like new generations of cellphones today, their Middle Stone Age (MSA) blades and points were smaller and more precise than the old so-called Acheulean hand axes and scrapers.

These toolmakers in the Olorgesailie Basin in Kenya chose as raw materials shiny black obsidian and white and green chert, rocks they had to get from distant sources or through trade networks. In another first, they chiseled red and black rocks, probably to use as crayons to color their bodies or spears—an early sign of symbolic behavior. "This is indicative of a gear change in behavior, toolmaking, and material culture," says evolutionary psychologist Robin Dunbar at the University of Oxford in the United Kingdom, who studies social networks.

A trio of papers released online in Science today documents this remarkable technological transition. Although other sites have yielded MSA tools, the new, securely dated chronology nudges the transition back by at least 20,000 years, matching when our species, Homo sapiens, is now thought to have emerged. By analyzing artifacts over time at one site, the papers also show that these behaviors developed as climate swings intensified, supporting the idea that environmental variability drove innovation.

A team led by paleoanthropologists Rick Potts of the Smithsonian Institution's National Museum of Natural History and Alison Brooks of The George Washington University, both in Washington, D.C., gathered artifacts from sediments spanning 1.2 million years at Olorgesailie. Unfortunately, ancient erosion stripped away layers between 499,000 and 320,000 years ago, erasing the time when the MSA was probably invented. But by looking at more than 20,000 animal fossils associated with tens of thousands of stone tools, and multiple clues to the ancient environment, the team provides a detailed picture of life before and after the transition to the MSA. They pin down the timing with what geochronologist Michael Storey of the Natural History Museum of Denmark in Copenhagen calls "very impressive" dating.

The roots of modern human behavior

Many complex technologies and signs of symbolic behavior, such as sophisticated Middle Stone Age (MSA) tools and pigment use, appeared first in Africa and then in fits and starts around the world.

About 900,000 years ago, a skull cap shows that the human ancestor H. erectus lived at Olorgesailie and used big Acheulean hand axes and scrapers to butcher meat. About 800,000 years ago, the climate began fluctuating more intensely from wet to dry, and the environment became more arid and grassy. At about 615,000 years ago, early humans began to make smaller Acheulean tools they could carry farther, and to more carefully select basalt as raw material, perhaps shifting hunting tactics in a changing environment, Potts says. The last hand ax at the site dates to 499,000 years ago, before the gap.

By the time the archaeological record restarted at 320,000 years ago, the Acheulean tools were gone and the basin had changed dramatically. The wet-dry cycle was even more extreme. More than 80% of mammal species had vanished and new kinds of elephants, pigs, foxes, and springboks gathered at tree-lined streams. MSA tools—relatively sophisticated blades and points that would have been hafted onto spears—were plentiful.

The site yielded no human fossils in this key time frame, so researchers can't be sure who the new toolmakers were. But discoveries elsewhere offer a strong hint. For years archaeologists had thought the MSA tools were too old to have been made by our species. Then, last year, fossils resembling H. sapiens were found near MSA tools and dated to nearly 300,000 years ago at Jebel Irhoud in Morocco—timing that fits the Olorgesailie chronology.

Features of the MSA tools also suggest they were the handiwork of sophisticated humans. The toolmakers were highly selective about their raw materials, importing obsidian from up to 90 kilometers away. Such far-flung connections are a "hallmark of human social organization, and an important buffer in forager societies," whose members may move to distant places in hard times, Brooks says. The tools also are smaller, more precise, and more uniform in shape than Acheulean tools. They represent a milestone in abstract thinking: A hand ax preserves the shape of the original lump of rock, but creating a blade from an already prepared core forces toolmakers to visualize its shape in advance, Brooks says.
The team also found chunks of black rock and pieces of red ochre that had been punctured by sharp stone chisels. They propose both were used as pigments to create marks of individual or group identity, suggesting a high degree of social organization.
Expanded social networks are "a key unique feature of modern humans," says archaeologist Curtis Marean of Arizona State University in Tempe, although he suspects there will be some debate about the evidence for long-distance networks, noting that most of the stone came from just 25 to 50 kilometers from the site.

By combining artifacts with environmental data, the papers help explain what drove the MSA, says archaeologist Shannon McPherron of the Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology in Leipzig, Germany. "They were able to use the long time-sequence at Olorgesailie to demonstrate how changes in the environment and the fauna correspond to the shift to the MSA."
But these MSA toolmakers hadn't developed the full package of sophisticated behavior, Dunbar cautions. "It's at the bottom of the scale of modern behavior," he says. "We're not talking about Salvador Dalí."
Posted in:
Ancient DNA from this skeleton, found in a Moroccan cave, is the oldest known from Africa.
Abdeljalil Bouzouggar

Oldest DNA from Africa offers clues to mysterious ancient culture

About 15,000 years ago, in the oldest known cemetery in the world, people buried their dead in sitting positions with beads and animal horns, deep in a cave in what is now Morocco.

These people were also found with small, sophisticated stone arrowheads and points, and 20th century archaeologists assumed they were part of an advanced European culture that had migrated across the Mediterranean Sea to North Africa. But now, their ancient DNA—the oldest ever obtained from Africans—shows that these people had no European ancestry. Instead, they were related to both Middle Easterners and sub-Saharan Africans, suggesting that more people were migrating in and out of North Africa than previously believed.

“The findings are really exciting,” says evolutionary geneticist Sarah Tishkoff of the University of Pennsylvania, who was not part of the work.  

One big surprise from the DNA, she says, is that it shows that “North Africa has been an important crossroads … for a lot longer than people thought.”
The origins of the ancient Moroccans, known as the Iberomaurusians because 20th century archaeologists thought they were connected to peoples of the Iberian Peninsula, have been a mystery ever since the Grotte des Pigeons cave was discovered near Oujda, Morocco, in 1908.

Starting 22,000 or so years ago, these hunter-gatherers eschewed more primitive Middle Stone Age tools, such as larger blades used on spears, to produce microliths—small pointed bladelets that could be shot farther as projectile points or arrowheads. Similar tools show up earlier in Spain, France, and other parts of Europe, some associated with the famous Gravettian culture, known for its stone figurines of curvaceous women.

“The idea in the 1960s was that the Iberomaurusians must have got the microblades from the Gravettian,” says co-author and archaeologist Louise Humphrey of the Natural History Museum in London. During the ice age 20,000 years ago, sea level would have been lower and the Iberomaurusians were thought to have crossed the Mediterranean by boat at Gibraltar or Sicily.
Humphrey and her Moroccan colleagues got a chance to test this view after they discovered 14 individuals associated with Iberomaurusian artifacts at the back of the Grotte des Pigeons cave in 2005.

Paleogeneticists Matthias Meyer and Svante Pääbo at the Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology in Leipzig, Germany, used state-of-the-art methods to extract DNA from the ear bones of skeletons that had lain undisturbed since they were buried about 15,000 years ago. That’s a major technical feat because ancient DNA degrades rapidly in warm climates; these samples are almost twice as old as any other DNA obtained from humans in Africa.

DNA in hand, paleogeneticists Marieke van de Loosdrecht and Johannes Krause of the Max Planck Institute for the Science of Human History in Jena, Germany, sequenced it. They were able to analyze genetic material from the cell’s nucleus in five people and the maternally inherited mitochondrial DNA  from seven people. But they found no genetic tie to ancient Europeans. Instead, the ancient Iberomaurusians appear to be related to Middle Easterners and other Africans: They shared about two-thirds of their genetic ancestry with Natufians, hunter-gatherers who lived in the Middle East 14,500 to 11,000 years ago, and one-third with sub-Saharan Africans who were most closely related to today’s West Africans and the Hadza of Tanzania.

The Iberomaurusians lived before the Natufians, but they were not their direct ancestors: The Natufians lack DNA from Africa, Krause says. This suggests that both groups inherited their shared DNA from a larger population that lived in North Africa or the Middle East more than 15,000 years ago, the team reports today in Science.

As for the sub-Saharan DNA in the Iberomaurusian genome, the Iberomaurusians may have gotten it from migrants from the south who were their contemporaries. Or they may have inherited the DNA from much more ancient ancestors who brought it from the south but settled in North Africa where some of the earliest members of our speciesHomo sapiens, have been found at Jebel Irhoud in Morocco.

All this offers the first glimpse of the deep history of North Africans, who today have a large amount of European DNA. It suggests that there were more migrations between North Africa, the Middle East, and sub-Saharan Africa than previously believed. “Cleary, human populations were interacting much more with groups from other, more distant areas than was previously assumed,” Krause says. Further studies will search for the people who gave rise to both the Iberomaurusians and the Natufians.

“It’s a thrill to look for the first time at ancient DNA from prehistoric peoples from North Africa, a place where repeated waves of migration have made reconstruction of the deep population history based on living populations almost impossible,” says population geneticist David Reich of Harvard University, who was not part of the team.
Posted in:

domingo, 11 de março de 2018

Molecular phylogeny of extant horseshoe crabs (Xiphosura, Limulidae) indicates Paleogene diversification of Asian species


Horseshoe crabs are marine invertebrates well known for their exceptionally low rates of diversification during their entire evolutionary history. Despite the low species diversity in the group, the phylogenetic relationships among the extant species, especially among the three Asian species are still unresolved. Here we apply a new set of molecular genetic data in combination with a wide geographic sampling of the intra-specific diversity to reinvestigate the evolutionary history among the four living limulid xiphosurans. Our analysis of the intraspecific diversity reveals low levels of connectivity among Carcinoscorpius rotundicauda lineages, which can be explained by the estuarine-bound ecology of this species. Moreover, a clear genetic break across the Thai–Malay Peninsula suggests the presence of cryptic species in C. rotundicauda. The limulid phylogeny finds strong support for a monophyletic genus Tachypleus and a diversification of the three Asian species during the Paleogene period, with speciation events well separated in time by several million years. The tree topology suggests that the three Asian species originated in central South East Asia from a marine stem group that inhabited the shallow coastal waters between the Andaman Sea, Vietnam, and Borneo. In this region C. rotundicauda probably separated from the Tachypleus stem group by invading estuarine habitats, while Tachypleus tridentatus most likely migrated northeast along the Southern coast of China and towards Japan.

Graphical abstract


► Here we resolve the evolutionary history of the four living species of horseshoe crabs. ► We find that the relationship between the species matches the current taxonomy. ► We find indications for cryptic speciation across the Thai–Malay Peninsula in Carcinoscorpius rotundicauda. ► We find that the diversification of the Asian species occurred during the Paleogene.

sexta-feira, 9 de março de 2018

A dieta de "Luzio"

Homem pré-histórico morava em beira de rio há 10 mil anos, mas quase não comia peixe

Dentes de Luzio: bem preservados e com poucas cáries.

A dieta do habitante pré-histórico mais antigo encontrado em terras do estado de São Paulo reforça a ideia de que existiu no Vale do Ribeira, perto da divisa com o Paraná, um povo com uma cultura intermediária entre o modo de vida do litoral e o do planalto. Luzio, apelido dado ao esqueleto humano de 10 mil anos de idade descoberto em 2000, vivia na bacia do rio Jacupiranga, distante algumas dezenas de quilômetros da costa, mas tinha uma cultura com certos elementos que o conectavam ao mar. 

No sítio em que foi achado, havia centenas de pontas de flecha de pedra e adornos feitos com dentes de macaco, mas também uns poucos enfeites elaborados com dentes de tubarão e pontas de rabo de arraia.

Luzio tinha marcas de remador ou nadador em sua clavícula e fazia cemitérios em que os mortos eram cobertos por uma grossa camada de conchas – um tipo de vestígio arqueológico conhecido como sambaqui, característico das antigas populações do litoral e apenas eventualmente encontrado nas cercanias de rios brasileiros. Apesar desses elementos que o ligavam ao mundo aquático, Luzio comia qual um morador do Brasil central, segundo estudo publicado em 14 de setembro na revista científica Plos One. Seu cardápio do dia a dia era composto de carne de caça, provavelmente de roedores, porcos-do-mato e veados, alguns tubérculos, frutas e – agora vem o dado interessante – quase nenhum peixe ou crustáceo, seja de origem marinha ou mesmo fluvial.

A reconstituição do repasto típico de velho morador do sambaqui de rio foi feita pela bioantropóloga Sabine Eggers, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), em parceria com três pesquisadores do exterior. A partir de amostras de uma proteína (colágeno) e de um mineral (apatita) extraídos de ossos de Luzio, a pesquisadora analisou a presença de diferentes formas, os chamados isótopos, de dois elementos químicos, o carbono e o nitrogênio. “Por essa abordagem, conseguimos inferir como foi a alimentação do Luzio nos últimos seis meses de vida”, diz Sabine, especialista em estudar a dieta e as doenças dos povos antigos. “Não dá para dizer que ele nunca comeu peixe, mas, com certeza, esse item não era frequente em seu cardápio.” Os testes com isótopos foram feitos em dois laboratórios distintos e ambos deram o mesmo resultado.

De baixa estatura, com cerca de 1,60 metro, Luzio recebeu esse nome porque seus traços lembravam os de Luzia, o crânio humano mais antigo encontrado no Brasil, pertencente a uma jovem que viveu há 11 mil anos em Lagoa Santa, nos arredores de Belo Horizonte.

Luzio e Luzia tinham, no jargão dos especialistas, traços negroides, semelhantes aos dos atuais aborígenes australianos e africanos. A maioria dos autores acredita que esse tipo físico não deixou descendentes no continente americano. As atuais tribos de ameríndios derivam de antigas populações de traços ditos mongoloides (com os olhos puxados), típicas da Ásia, que, segundo alguns modelos de ocupação das Américas, se estabeleceram aqui posteriormente.

Quando foi resgatado do sítio arqueológico de Capelinha I, no município de Cajati, durante escavações patrocinadas por um projeto temático da FAPESP, Luzio forneceu indícios de que podia ter uma dieta singular (ver reportagem de Pesquisa FAPESP na edição no 112, de junho de 2005).

Para alguém que viveu há 10 milênios, seus dentes estavam bem conservados e exibiam somente um leve desgaste horizontal. “Encontramos no Luzio apenas quatro microcáries”, conta Sabine. “Nos habitantes de sambaquis de mar é comum depararmos com arcadas dentárias mal preservadas.” Os povos pré-históricos que viveram na costa brasileira se alimentavam basicamente de peixes e moluscos.

Ao ingerir cotidianamente esse cardápio, os dentes desses sambaquieiros entravam em contato com restos de areia e conchas, elementos que contribuíam para seu desgaste.
Luzio apresentava dentes em bom estado. Era, portanto, esperado que tivesse uma dieta mais próxima da dos antigos habitantes de áreas de planalto, em que o consumo de carne de caça e plantas não castiga tanto os dentes. Mas não se suspeitava que os peixes fossem uma raridade em suas refeições. “Chegamos a pensar que Luzio fosse um ceramista pescador-coletor”, comenta o arqueólogo Levy Figuti, do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, coordenador dos trabalhos de escavação no Vale do Ribeira que redundaram na descoberta do crânio de 10 mil anos em Capelinha. “Mas hoje está ficando mais evidente que ele era provavelmente um caçador-coletor.”

No sítio de Capelinha I foram encontradas, além dos artefatos de origem marinha e dos vestígios de construção de sambaquis com conchas terrestres, muitas evidências de que Luzio vivia da caça de animais terrestres. Foram resgatadas pontas de lanças e de flechas feitas de sílex ou quartzo, dentes perfurados de bugios, usados, como os de tubarão, provavelmente em colares ou pulseiras, e uma flauta feita com osso polido de mamíferos terrestres.

Em seus trabalhos de campo, a equipe de Figuti estudou 30 sambaquis fluviais do Vale do Ribeira e encontrou cerca de 60 esqueletos de antigos habitantes da região. Só no sítio arqueológico de Moraes, na bacia do rio Juquiá, foram descobertos restos de 40 indivíduos, a maioria tendo vivido há cerca de 5 mil anos. Nenhum deles era tão velho nem exibia os traços físicos de Luzio (todos tinham uma morfologia do tipo asiático), embora elementos de contato com o mar estivessem presentes em alguns desses lugares.

Como Luzio chegou ao Vale do Ribeira? Há duas hipóteses, que não são necessariamente excludentes e podem até ser combinadas. Mais jovem e com traços físicos semelhantes aos de Luzia, o sambaquieiro fluvial pode ser um representante dos descendentes do povo de Lagoa Santa que conseguiu cruzar o interior do Brasil e se estabelecer no Vale do Ribeira. “Olhando o trecho do litoral brasileiro em que há grande ocorrência de sambaquis, entre o Espírito Santo e Santa Catarina, vemos que a serra do Mar representa uma grande barreira para o contato entre os povos do mar e os do interior”, diz a arqueóloga Mercedes Okumura, do MAE-USP. “Mas o Vale do Ribeira pode ter sido uma exceção nesse cenário.”
Crânios de Luzio (à esq.) e de Luzia: traços semelhantes aos dos atuais aborígenes australianos e africanos

Ponte para o mar

Nessa região do sul do território paulista, a transição entre a serra do Mar, onde predominava a mata atlântica, e a área costeira é mais suave, com escarpas menos íngremes. O Ribeira do Iguape é um dos poucos rios de São Paulo que correm do planalto para o leste, a caminho do mar. Corta serras e pequenos vales, criando ambientes que podem ter sido pontes naturais entre o litoral e o planalto. Essas particularidades da geografia da região podem ter facilitado o contato de Luzio com as populações do Atlântico.

Existe outra explicação para a presença de Luzio no extremo sul de São Paulo em tempos tão recuados. Ele pode ter migrado da área costeira para a de planalto. Nesse caso, ele seria representante de um povo que teria abandonado a vida no litoral e decidido desbravar as terras mais altas. Contra essa hipótese há um dado incômodo: até agora não se descobriu nenhum sambaqui litorâneo que seja mais antigo do que o sítio de Capelinha I. A atual cronologia de ocupação da costa atlântica não favorece esse cenário. Mas há um atenuante. Há 10 mil anos, a linha da costa se encontrava algumas dezenas de quilômetros mais distante do que está hoje. É possível que os sambaquis mais antigos estejam hoje cobertos pelas águas e talvez nunca sejam encontrados.

Nos últimos anos, boas notícias animaram os estudiosos dos cemitérios de conchas encontrados na costa atlântica. Novas datações de sítios com sambaquis indicam que a presença humana em trechos do litoral brasileiro é mais antiga do que se pensava. O arqueólogo Flavio Calippo, hoje professor na Universidade Federal do Piauí (UFPI), encontrou no início da decada passada vestígios de ocupação humana de 8 mil anos no sítio semissubmerso de Cambriú Grande, na ilha do Cardoso, também no Vale do Ribeira. A equipe do físico Roberto Meigikos dos Anjos, da Universidade Federal Fluminense (UFF), obteve recentemente mais evidências geológicas que confirmam a idade do Sambaqui do Algodão, em Angra dos Reis. O sítio arqueológico tem mesmo 8 mil anos. “Parece que os sambaquis mais antigos estão no trecho do litoral entre Rio e São Paulo”, diz Meigikos. No entanto, nenhuma dessas datações recentes resolve a questão se Luzio veio do mar ou das terras altas antes de se fixar em Capelinha.

Artigo científico

EGGERS, S. et al. Paleoamerican diet, migration and morphology in Brazil: archaeological complexity of the earliest americans. Plos One. Publicado eletronicamente em 14 de setembro de 2011.

quinta-feira, 8 de março de 2018

A América de Luzia

Escavações em Lagoa Santa reforçaram teoria alternativa sobre o povoamento do continente

Crânios de Lagoa Santa: ossadas da região mineira serviram para formular teoria alternativa de povoamento das Américas
Crânios de Lagoa Santa: ossadas da região mineira serviram para formular teoria alternativa de povoamento das Américas

Em 1988, o arqueólogo e antropólogo Walter Neves trabalhava no Museu Paraense Emílio Goeldi e foi convocado às pressas por Guilherme de la Penha, então diretor da instituição de pesquisa, para uma missão no exterior. Teria que representar a chefia do museu em uma reunião sobre arqueologia de salvamento em Estocolmo, na Suécia. O evento seria dali a uma semana. Neves aceitou substituir o chefe na viagem, mas fez uma exigência. Queria esticar a estadia na Escandinávia por uns dias para ter chance de ir a Copenhague, onde queria conhecer a coleção Peter Lund, composta por mamíferos extintos e crânios humanos de alguns milhares de anos encontrados pelo naturalista na região de Lagoa Santa, Minas Gerais, no século XIX. A escala na capital dinamarquesa mudou o curso de sua pesquisa. Neves realizou medições anatômicas em 15 crânios mineiros da coleção e, na volta ao Brasil, discutiu os resultados, surpreendentes, com um colega argentino, o arqueólogo Hector Pucciarelli, da Universidade Nacional de La Plata. Os crânios dos paleoíndios de Lagoa Santa pareciam ter pertencido a um povo com traços físicos negroides, parecidos com os dos atuais africanos e aborígines australianos. Os crânios eram mais estreitos e longos, com faces proeminentes, estreitas e baixas. Não lembravam as antigas populações asiáticas, com olhos amendoados, das quais descendem todas as tribos indígenas ainda hoje presentes nas Américas.

O achado batia de frente com a visão tradicional da arqueologia, em especial a feita nos Estados Unidos, sobre o processo de povoamento do continente. Segundo a teoria convencional e mais difundida, as Américas foram colonizadas por três ondas migratórias compostas de indivíduos com traços mongoloides (asiáticos), tendo a primeira delas ocorrido há cerca de 13 mil anos via Estreito de Bering. Para o arqueólogo brasileiro, os crânios da coleção Lund não corroboravam essa ideia e forneciam elementos para sustentar outra hipótese. O esboço inicial dessa teoria alternativa ganhou, em 1989, as páginas da antiga revista Ciência e Cultura em um artigo assinado por Neves e Pucciarelli. Nascia o embrião do que viria a ser chamado o modelo dos dois componentes biológicos. Segundo essa proposta, houve duas levas migratórias primordiais para as Américas. A primeira, composta por caçadores-coletores com traços negroides, emigrou para cá há cerca de 14 mil anos e hoje não está mais representada em nenhum grupo da atualidade. A segunda, formada por indivíduos com aparência mais próxima à dos asiáticos, botou os pés no Novo Mundo cerca de 12 mil atrás. As tribos atuais ameríndias são herdeiras dessa morfologia.

234-239_walterneves_esp50Por um bom tempo, as ideias de Neves não causaram repercussão nem mesmo entre os meios mais especializados. Até que, em meados da década de 1990, o pesquisador pôde estudar em detalhes um crânio humano pré-histórico da região de Lagoa Santa, que faz parte do acervo do Museu Nacional do Rio de Janeiro. O material ósseo, que tinha sido resgatado em meados dos anos 1970 pela missão franco-brasileira no sítio da Lapa Vermelha IV, no município de Pedro Leopoldo, pertencera a uma jovem que deve ter morrido com cerca de 20 anos. A camada geológica em que o crânio se encontrava foi datada em cerca de 11 mil anos e os restos da caçadora-coletadora foram apelidados de Luzia. Com traços não-mongoloides e as mesmas características físicas dos crânios da coleção Lund, Luzia era o esqueleto humano mais antigo já encontrado nas Américas.

Neves começou a publicar artigos científicos sobre o novo crânio de Lagoa Santa, que se tornou o símbolo e a evidência principal de sua teoria alternativa sobre o povoamento do continente. “Antes de Luzia, todos os nossos trabalhos foram solenemente ignorados”, afirma o pesquisador da USP. “Mas o efeito midiático de Luzia fez os arqueólogos americanos olharem para nosso trabalho.” Meios de comunicação de prestígio mundial, como o jornal norte-americano The New York Times e a rede de televisão inglesa BBC, fizeram reportagens sobre o crânio brasileiro que servia de suporte para um novo modelo de ocupação das Américas. O inglês Richard Neave, especialista forense da Universidade de Manchester, fez uma reconstituição artística para um programa da BBC de como seria a face de Luzia a partir de tomografias do crânio mais antigo das Américas. A imagem de uma jovem com lábios grossos e nariz largo, correu o mundo e conferiu, literal e figurativamente, uma face para a teoria.

A difusão internacional do modelo dos dois componentes biológicos trouxe também as críticas, em especial as de representantes da ala mais tradicional da arqueologia americana. Eles costumavam dizer que Luzia era uma aberração, uma exceção, e não a regra entre os primeiros habitantes das Américas. Afirmavam que Neves havia construído uma tese a partir de um só crânio. Segundo essa linha de pensamento, a evidência pré-histórica mais antiga e incontestável da presença do homem nas Américas é a chamada cultura Clovis, definida a partir de um sítio arqueológico do Novo México onde nunca foram descobertas ossadas de Homo sapiens, mas foram encontradas, há cerca de 80 anos, pontas de lança líticas com idade de 11,5 mil anos. Luzia certamente não é pré-Clovis. Mas, por estar na América do Sul, ter uma idade avançada e exibir morfologia distinta, Neves interpretava como um indício de que outro povo pode ter entrado nas Américas antes dos caçadores-coletores da cultura Clovis. Outra fonte de críticas à hipótese de Neves costuma vir de trabalhos da área de genética, que refutam a existência de uma possível leva primordial formada por indivíduos com traços biológicos semelhantes aos de Luzia.
Reconstituição artística de Luzia: dona do crânio mais antigo das Américas, de 11 mil anos, se parecia com atuais africanos e aborígines australianos
Reconstituição artística de Luzia: dona do crânio mais antigo das Américas, de 11 mil anos, se parecia com atuais africanos e aborígines australianos

Para angariar mais argumentos a favor de sua teoria e mostrar que Luzia não era uma anomalia, o arqueólogo da USP decidiu, a partir do final dos anos 1990, promover escavações na região de Lagoa Santa, amparado por uma série de projetos financiados pela FAPESP, inclusive dois temáticos. “Percebi que tinha de ir a campo”, conta Neves. Os trabalhos de campo ocorreram durante boa parte da década passada, em geral nos meses de inverno, mais secos no Sudeste. As expedições pelas grutas e cavernas mineiras chegaram a juntar até 50 pessoas em algumas ocasiões. Os resultados foram aparecendo. Em julho de 2001, a equipe da USP encontrou três ossadas de cerca de 8.500 anos com características fisicas semelhantes às de Luzia no sítio arqueológico de Lapa das Boleiras, município de Matozinhos, onde há um cemitério pré-histórico que não era escavado desde 1956. Mesmo bem mais novos que o crânio mais antigo das Américas, os esqueletos de Boleiras tinham um significado especial. Eram os primeiros ossos humanos pré-históricos desenterrados da região de Lagoa Santa desde 1975, quando Luzia fora descoberta.

E não foram os únicos. No final de 2004, Neves e colaboradores publicaram um artigo na revista científica britânica World Archaeology em que apresentavam nove crânios encontrados em meados dos anos 1950 em Cerca Grande, um complexo de sete sítios pré-históricos situado na região de Lagoa Santa.

Todas as ossadas ostentavam características afro-aborígines e idade estimada em cerca de 9 mil anos.

Em outro trabalho, também dessa época, publicado no periódico norte-americano Current Research in the Pleistocene, o arqueólogo da USP analisou um crânio, igualmente de 9 mil anos e traços negroides, oriundo da Toca das Onças, um sítio rico em material pré-histórico localizado em Caatinga do Moura, na Bahia.

A existência de uma ossada tão antiga associada a populações não mongoloides originárias de uma região distante de Lagoa Santa era mais um indício de que esse tipo físico esteve disseminado por outras partes do país durante algum momento da Pré-história. “Sua distribuição geográfica era mais ampla do que se pensava”, comentou Castor Cartelle, do Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG), coautor do artigo sobre o crânio de Toca das Onças, em entrevista concedida na época à Pesquisa FAPESP. “Talvez a presença de indivíduos do tipo negroide tenha ocorrido ao longo de toda a bacia do rio São Francisco, chegando até o Piauí.” Cartelle coordenou a equipe que encontrou o crânio humano de Toca das Onças numa expedição à região baiana no fim dos anos 1970.
Escavação no sítio mineiro de Lapa do Santo: trabalho de campo obteve mais indícios a favor da teoria de Neves
Escavação no sítio mineiro de Lapa do Santo: trabalho de campo obteve mais indícios a favor da teoria de Neves.

Até no território paulista, durante muito tempo considerado um vazio arqueológico em termos de datações antigas, foi encontrado um crânio masculino parecido com Luzia, que recebeu o apelido de Luzio. Em abril de 2005, um artigo na revista norte-americana Journal of Human Evolution apresentou uma ossada de cerca de 10 mil anos, que fora resgatada seis anos antes em um sítio arqueológico denominado Capelinha I, na bacia do rio Jacupiranga, no Vale do Ribeira. Luzio foi um caçador-coletor que habitou um sambaqui fluvial no sul de São Paulo.

A ossada estava num sepultamento situado numa camada geológica bem superficial”, lembrou, em entrevista à Pesquisa FAPESP, o arqueólogo Levy Figuti, do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, coordenador do projeto que encontrou o crânio. “Não pensávamos que ela fosse tão antiga.” Neves foi um dos coautores do artigo sobre Luzio.

A estratégia de procurar crânios pré-históricos com morfologia semelhante à de Luzia rendeu frutos até no exterior. Ossadas do México, da Colômbia e até dos Estados Unidos foram identificadas como similares ao povo de Lagoa Santa. Em desembro de 2005, Neves e Mark Hubbe, então seu aluno e hoje trabalhando no exterior, publicaram uma grande síntese de seus achados na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

No trabalho, os pesquisadores examinaram 81 crânios de Lagoa Santa, a maior amostra já analisada sobre ossadas da região, e as classificaram, com a ajuda de vários modelos computacionais, como pertencentes a paleoíndios com traços semelhantes aos de Luzia. Os crânios (42 homens e 39 mulheres), que se encontraram guardados em museus do Brasil e do exterior, tinham idade estimada entre 7.500 e 11 mil anos. Cerca de 50 parâmetros morfológicos dos esqueletos foram comparados com as medidas típicas dos principais grupos étnicos que compõem atualmente a população mundial. O resultado foi que eles se parecem mais com os africanos e aborígines – a exemplo de Luzia.

Apesar de bem sucedido, o projeto de pesquisa de Neves em Lagoa Santa deixou-o com uma ponta de frustração. “Esperava encontrar várias Luzias com mais de 11 mil anos na região”, afirma o pesquisador. Não foi o que ocorreu. Nada da idade de Luzia apareceu. “Se houve uma ocupação pré-Clovis em Lagoa Santa, ela foi muito esparsa.”, diz. Ainda assim, não há do que reclamar. O arqueólogo da USP tem caixas e mais caixas em seu laboratório com milhares de ossos humanos e de mamíferos e carvões da região mineira para serem estudados e datados. É trabalho para anos.
Vista aérea de maciço calcário, onde há um abrigo sobre rocha, em Matozinhos (MG): presença desse tipo de mineral ajudou na preservação de esqueletos na região de Lagoa Santa
Vista aérea de maciço calcário, onde há um abrigo sobre rocha, em Matozinhos (MG): presença desse tipo de mineral ajudou na preservação de esqueletos na região de Lagoa Santa

Megafauna e gravuras
As escavações coordenadas por Neves em Lagoa Santa renderam achados que, embora não comprovem sua teoria, dão mais consistência às teses do pesquisador da USP. Além disso, os trabalhos de campo também produziram conhecimentos em áreas correlatas à questão da chegada do homem às Américas.

Em 2002, a datação pelo método do carbono 14 de um fragmento de costela de uma preguiça terrícola gigante da espécie Catonyx cuvieri, que havia sido encontrada na região mineira rica em sítios pré-históricos, mostrou que esses enormes mamíferos ainda não haviam desaparecido por completo há cerca de 10 mil anos.

O estudo reforçou a ideia de que as antigas versões terrestres e mais avantajadas das atuais preguiças arborícolas foram contemporâneas do povo de Luzia e dividiam praticamente o mesmo território. “O teste mostrou que a preguiça habitou aquela área há 9.990 anos”, diz Neves. As preguiças gigantes eram um dos representantes da espetacular megafauna que habitou a porção sul do continente americano.

Mais recentemente, em 22 de fevereiro deste ano, Neves publicou um artigo na revista científica Plos One em que dá conta de um achado inesperado, obtido nos últimos momentos dos trabalhos de campo na região de Lagoa Santa em 2009.

No sítio Lapa do Santo, um abrigo sob rocha, os trabalhos de escavação trouxeram à tona um petroglifo de uns 30 centímetros de tamanho com uma figura antropomórfica, ou seja, uma gravura de um homem estilizado feita sobre pedra, que estava escondida a 4 metros de profundidade.

O desenho retrata um homem com um enorme órgão sexual. Sua idade foi estimada entre 9.600 e 10.400 anos. “Essa gravura rupestre é a mais antiga das Américas a apresentar uma datação indiscutível”, afirma Neves. “Ela sugere fortemente que a cultura entre o fim do Pleitosceno e o início do Holoceno (há  12 mil anos) não se restringia à fabricação de ferramentas de pedra e à subsistência, mas também englobava uma rica dimensão simbólica.” Com a nova descoberta, Lagoa Santa passa a ter o crânio humano e a gravura rupestre mais antigos das Américas, segundo o pesquisador da USP.

Os projetos
1. Origens e microevolução do homem na América: uma abordagem paleoantropológica II (nº 1999/00670-7); Modalidade Projeto Temático; Coordenador Walter Neves – Instituto de Biociências/USP; Investimento R$ 538.172,80 e US$ 76.000

2. Origens e microevolução do homem na América: uma abordagem paleoantropológica III (nº 2004/01321-6); Modalidade Projeto Temático; Coordenador Walter Neves – Instituto de Biociências/USP; Investimento R$ 1.555.665,94

Artigos científicos
NEVES, W. A. e PUCCIARELLI, H M. Extra-continental biological relationships of early South American human remains: a multivariate analysis. Ciência e Cultura. v. 41, p. 566-75, 1989.

NEVES, W. A. e HUBBE, M. Cranial morphology of early Americans from Lagoa Santa, Brazil: implications for the settlement of the New World. PNAS. v. 102, n. 51, p. 18309-14, 2005.

NEVES, W. A. et al. Rock Art at the Pleistocene/Holocene Boundary in Eastern South America. Plos One. v. 7, n. 2, p. e322-28, 2012.

De nosso arquivo
Walter Neves: o pai de Luzia – Edição nº 195 – maio de 2012

Como os nossos pais
– Edição nº 182 – abril de 2011

Primos de Luzia
– Edição nº  119 – janeiro 2006

Redescobrindo o novo mundo
– Edição nº 107 – janeiro 2005

A terra de Luzia
– Edição nº 86 – abril 2003

Esmalte do dente permite determinar sexo de esqueleto humano

Análise de fragmentos de proteína responsável pela formação da coroa dentária ajudou a atribuir o sexo de remanescentes humanos de cerca de 5 mil ano.

RODRIGO DE OLIVEIRA ANDRADE | Edição Online 20:17 27 de dezembro de 2017

Análise de fragmentos da proteína amelogenina permitiu identificação do sexo de esqueletos humanos de cerca de 5 mil anos.

Um método desenvolvido por um grupo internacional de pesquisadores, entre eles a bióloga Raquel Gerlach, da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, poderá auxiliar na identificação do sexo de partes de esqueletos em estudos em arqueologia, paleoantropologia e no âmbito das ciências médico-legais.

A técnica se baseia na análise de fragmentos (peptídeos) da proteína amelogenina, responsável pela formação da coroa dentária, a parte visível dos nossos dentes. A amelogenina é codificada no cromossomo X, presente nos homens e nas mulheres, e no cromossomo Y, apenas nos homens, com poucas diferenças quanto às sequências de aminoácidos.

No estudo, os pesquisadores identificaram 23 diferenças entre a amelogenina codificada nos cromossomos Y e X. Em seguida, analisaram, às cegas, amostras de dentes humanos de múmias cujo sexo já era conhecido encontradas na região de Durham, na Inglaterra.

Os pesquisadores usaram uma pequena amostra do esmalte dentário das múmias e, em cada uma delas, foi aplicada uma solução ácida. O material dissolvido foi analisado em um espectrômetro de massa, usado para separar e identificar proteínas.

Após ser coletada, amostra do esmalte dentário foi dissolvida e analisada em um espectrômetro de massa, usado para separar e identificar proteínas.

“Com base em diferenças identificadas anteriormente, conseguimos atribuir corretamente o sexo desses remanescentes humanos de cerca de 5 mil anos”, explica Raquel, coautora do estudo descrevendo os resultados da técnica publicado em dezembro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

O novo método apresenta-se como uma alternativa aos métodos empregados atualmente. “Hoje, para identificar o sexo de esqueletos, é preciso triturar dentes e ossos em uma solução específica para conseguir detectar o DNA por análise de PCR. Isso acarreta na destruição da amostra”, explica. “A vantagem da nova técnica é que ela não é invasiva, por se basear apenas na análise de proteínas presentes em uma pequena parte do esmalte dos dentes, que são preservados.”
Segundo ela, o próximo passo é analisar o desempenho da nova técnica em situações em que os ossos foram submetidos a altas temperaturas. “Sabe-se que nesses casos é difícil recuperar amostras de DNA”, explica a bióloga. “Vamos verificar se os peptídeos se mantêm bem preservados no esmalte do dente quando submetidos a situações similares às de incêndios”, completa.

Busca e identificação de peptídeos de isoformas de amelogeninas codificadas especificamente a partir do cromossomo X ou do cromossomo Y em dentes humanos extraídos (nº 11/23963-3); Modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular; Pesquisador responsável João Paulo Mardegan Issa (USP/Ribeirão Preto); Investimento R$ 31.919,17 (FAPESP).

Artigo científico 
STEWART, N. A. et al. Sex determination of human remains from peptides in tooth enamel. PNAS. On-line. dec. 2017.